Jornalista de esquerda faz lista de colegas que acusa de “golpistas”, revelando seu espírito anti-democrático

399

No dia 10 de maio de 1933, foram queimadas em praça pública, em várias cidades da Alemanha, as obras de escritores alemães inconvenientes ao regime.

Em 31 de agosto de 1943, o jornal “Frankfurter Zeitung”, cuja relativa independência era tolerada para dar um tom liberal ao regime de Hitler, foi fechado pelos nazistas.

Em 07 de setembro de 2016, o jornalista Pedro Zambarda publica no site esquerdista Diário do Centro do Mundo, uma lista de jornalistas que acusou de golpistas. Não propôs boicote ou qualquer outra atitude. Isso já será trabalho para os ativistas mais violentos

Isso mesmo!! Você não leu errado. Ontem, no dia em que comemorávamos o aniversário da independência do Brasil, um blogueiro esquerdista se deu ao trabalho de publicar uma lista de jornalistas que, por sua independência em relação à hegemonia de extrema-esquerda (sim, extrema, pois alguns ali até se consideram de esquerda, mas não compactuam com métodos violentos ou com o roubo desenfreado dos bens públicos, como tem ocorrido nos últimos anos), são chamados de “golpistas” (nenhum propôs algum método que não seguisse a Constituição).

Na lista, constam nomes de peso como Arnaldo Jabor, Augusto Nunes, Carlos Alberto Sardenberg, Diogo Mainardi, Eliane Cantanhêde, José Nêumanne Pinto, Merval Pereira, Miriam Leitão, Reinaldo Azevedo, Ricardo Noblat, Vera Magalhães, William Waack, nomes que atingiram maior divulgação nos últimos anos, como Rachel Sheherazade, Felipe Moura Brasil, Joice Hasselmann, Marco Antonio Villa, Kim Kataguiri, Jorge Bastos Moreno, Diego Escosteguy, até nomes inesperados como Carioca (do Pânico, cujo único pecado é ter uma opinião diferente do autor da lista), William Bonner e Renata Vasconcelos (apresentados juntos na lista, mostrando que o autor nem sabe a posição política de cada um, só não gosta quando o Jornal Nacional noticia alguma falcatrua do PT). A lista chega ao cúmulo do ridículo ao incluir todos os editorialistas do Estadão (só faltou incluir todos os judeus) e, pasmem, o “time da GloboNews”. Isso mesmo!! O nível de doença mental ou desonestidade dessa pessoa chega ao ponto de não reconhecer o caráter extremamente heterogêneo dos jornalistas da GloboNews e, muito menos, a clara tendência pró-esquerda e até pró-PT de muitod deles. Cristiana Lobo deve ter caído da cadeira ao ler essa lista…

O mais incrível é ler, no final do artigo do DCM, a lista de predicados do autor. Aparentemente, ele é especializado em games e mundo digital. Portanto, extremamente habilitado para analisar o trabalho de seus colegas e definir que estão sendo parciais ou golpistas.

Acusar um jornalista de golpista é algo muito sério. Resta saber se pelo menos metade desses jornalistas citados irá procurar a Justiça, como fez Heraldo Pereira contra Paulo Henrique Amorim e lembrar que ainda existem juízes no Brasil.