O telhado de vidro de Carina Vitral

1.454

As universidades públicas e algumas privadas viram surgir, há algumas décadas, a figura do “estudante profissional”: uma criatura que fica anos na universidade – muito mais do que seu curso necessita – e nunca se forma. Caso seja jubilada, a figura volta a prestar vestibular, entra e continua por anos na universidade. Mas por que? Além de, em geral, viver nas moradias estudantis e se alimentar nos restaurantes gratuitos do campus, o que mantém esses profissionais nas faculdades é a política estudantil.

Desde o primeiro dia de aula, essas pessoas já começam a atuar em grupos estudantis, invariavelmente de extrema-esquerda e, quando entram numa sala de aula é para dar avisos de assembleias ou impedir que uma aula ocorra.

imageÉ impossível não se pensar nesse tipo de “estudante” quando constatamos que a presidente da UNE, Carina Vitral tem 28 anos e ainda está cursando Economia na PUC-SP, um curso de 4 anos (4,5 no curso noturno). Carina iniciou um curso de Relações Internacionais, que abandonou; depois entrou no curso de Economia da federal de SC, que também abandonou, chegando finalmente ao atual curso na PUC. Ao longo dos anos, vimos Carina viajar para o exterior para apoiar o ditador Maduro na Venezuela, estar constantemente em Brasília apoiando a presidente deposta Dilma, menos estudando economia…

Porém, tudo que é ruim ainda pode piorar e a santista Carina, sem nem ter conseguido se formar, lançou-se candidata a que? A vereadora? A prefeita de um município de 5 mil habitantes? Não!! A prefeita de uma das cidades mais importantes do país: Santos. Com uma população de quase 500 mil habitantes e sendo o centro de uma região metropolitana de mais de um milhão de habitantes, sede do maior porto do país, Santos não é uma cidade qualquer. Uma administração desastrosa que afete as condições do porto, pode afetar nossas importações e exportações, levando o país a uma crise imensa.

E a eterna estudante Carina quer administrar nada menos que Santos!

imageRepresentante dessa extrema-esquerda tolerante com a corrupção, Carina Vitral tenta emplacar um repeteco da carreira de Lindbergh Farias (PT-RJ), também ex-presidente da UNE. Além de Lula, Dilma, Dirceu e toda a turma do mensalão e petrolão, Carina também é admiradora de ditadores e assassinos como Fidel, Maduro e Che Guevara.

Mas como alguém teve a ideia de lançar essa moça inexperiente a concorrer a um cargo dessa importância? Aparentemente, dois fatores estão por trás disso.

Diante da certeza de que nenhum candidato próprio poderia ter a mínima chance de ser eleito em Santos, o PT engendrou uma estratégia alternativa para conquistar a cidade: abriu mão, pela primeira vez, de lançar candidatura própria e lançou uma moça bonitinha, com um “discurso jovem” para conquistar os eleitores adolescentes. No cargo de vice, estrategicamente colocado, o petista Reinaldo Martins.

O PT terá 14 candidatos a vereadores, enquanto o PCdoB contará com 3 candidatos a uma vaga no legislativo. Entenderam que, se a estratégia do PT der certo e Carina for eleita, ela será mantida mais com apoio dos vereadores do PT do que com os do PCdoB, ou seja, estará nas mãos do PT e de seu vice.

Basta ligar a TV na Baixada Santista e veremos propagandas da candidata Carina com uma frequência muito maior do que de qualquer outro candidato, inclusive o atual prefeito Paulo Alexandre, do PSDB. São propagandas enormes e extremamente caras. De onde veio esse dinheiro todo?

Sabemos que dinheiro não é problema para o PT e também sabemos de quais bolsos esse dinheiro saiu, nas mais diversas falcatruas que já foram descobertas e de outras a se descobrir. Porém, sabemos que a UNE, presidida por Carina, também recebeu altas somas de dinheiro dos governos petistas, motivo da instauração da CPI da UNE. Não é para menos que nenhum parlamentar do PT, do PCdoB e do PSOL assinou o requerimento para a CPI.

Entre os milhões destinados à UNE, estão os R$ 44,6 milhões recebidos pela entidade como reparação da perseguição sofrida durante da ditadura militar. Detalhe: nenhum dos integrantes da UNE de hoje havia sequer nascido quando a ditadura perseguiu a entidade. Esse raciocínio para inventar uma indenização é dos mais bizarros.

O governo federal também destinou R$ 30 milhões para a UNE construir sua nova sede que, no entanto, está com as obras paradas.

Na Baixada Santista, tivemos uma experiência recente com o tipo de ideologia que Carina representa. O município de Cubatão elegeu a petista Marcia Rosa que, tanto perseguiu os empresários produtivos do município que conseguiu espantá-las de lá, gerando não só desemprego como uma queda da receita que quebrou Cubatão.

Esperamos que o povo de Santos dê uma resposta veemente contra esse tipo de político oportunista, despreparado e defensor de ideias incoerentes.