A complacência da mídia em relação às drogas

556

Há tempos tenho notado que as campanhas na mídia para conscientização dos jovens contra as drogas têm pouco ou nenhum efeito. Recentemente comecei a entender quais os motivos.

Dizem que o que você faz fala tão alto que as pessoas não ouvem o que você diz. Especialistas também afirmam que a comunicação verbal responde somente por 30% do processo de comunicação, sendo gestos, olhares, postura, expressão facial responsáveis pela maior parte.

Então, quando um ator famoso aparece na TV falando aos jovens para não usarem drogas, o efeito é mínimo. E por que? Porque esse ator USA drogas. Ele está na campanha porque é bonito para seu currículo e não deixa de ser uma divulgação. Mas ele não acredita em nada daquilo que está falando. “Drogas matam”?? Ele fuma maconha há anos e está ali vivinho! Ele fala aquilo com a mesma convicção com que certos políticos afirmam suas promessas durante campanha.

E por mais que a mídia insista em dizer que droga faz mal, que mata, etc. quase nenhum jornalista crê nisso. Até porque vários usam drogas…

Assim é que o seqüestrador da filha do Silvio Santos foi preso. Toda a imprensa divulgou que o rapaz era até freqüentador de uma igreja até que começou a usar drogas, abandonou a religião e praticou o sequestro. Ou seja, ele era um usuário de drogas num nível tal que decidiu cometer um crime. Pois esse rapaz é preso e pega uma pneumonia. Pouca gente sabe, mas pneumonia é um quadro grave. Matava quase todo mundo antes de se descobrir os antibióticos. Agora, mesmo com antibiótico, ainda existem casos graves o bastante para matar, inclusive pessoas jovens.

Aí, o seqüestrador morre de pneumonia! E a imprensa repete insistentemente que a morte é suspeita, porque o rapaz era saudável. Como saudável? Drogadição não é considerada uma doença? E droga não mata? Vocês vivem dizendo isso, mas quando um usuário de drogas morre, ele vira “um jovem saudável”?

Além disso, repare que hoje em dia ninguém tem mais efeito de drogas. Mesmo que o cara seja um usuário declarado, como alguns artistas são, TUDO que ele tiver será absolutamente não relacionado com a droga. Então, fulano “surtou” de uma hora para outra. O fato de usar cocaína ou LSD não é citado nem usado como explicação. Beltrano está “deprimido”, outro é “bipolar”, ainda outro tem “ansiedade” (o fato dessa ansiedade só ocorrer quando está sem droga é coincidência). NINGUÉM sofre efeitos daquela tal “droga que mata” segundo a mídia. Todos têm algum outro tipo de doença que não pode ser atribuída às drogas. Vai ver se esses jornalistas que fazem tanta questão de chamar esses quadros de “surtos”, “depressão”, “bipolar” não são usuários das mesmas drogas!

Assim é que, uma criança ou um adolescente, acaba aprendendo subliminarmente que droga nenhuma mata. O carinha usava a droga recreativamente. Ele morreu porque ficou deprimido por sua carreira estar afundando, ou por uma desilusão amorosa, etc. A droga nunca é a causa ou, pelo menos, contribuiu. Pensando assim, como esse jovem irá recusar a droga quando for oferecida?