O que não te falaram sobre o aborto.

O que não te falaram sobre o aborto.

362
Compartilhar

“Meu corpo minhas regras”
“Direito de decidir”
“Empoderamento”

São palavras de ordem, de cunho vazio, normalmente repetidas por coletivos e simpatizantes da terceira onda do feminismo, a velha técnica de fazer o cliente se sentir especial para poder vender o produto, que no caso são interesses das clínicas de aborto. Mas o que realmente acontece com uma mulher que pratica o procedimento?

Segundo as pesquisas mais recentes mulheres que abortaram podem demorar até 5 anos para superar o trauma. Existe uma série de mudanças psicológicas e físicas que ocorrem durante a gravidez. Apesar dos militantes pró aborto insistirem que existe apenas a pressão social que gera o sentimento de culpa na mulher e que pode ser resolvida através da “desconstrução”.
Vale lembrar que como liberal a questão do aborto é pautada na ciência e na decisão individual. No momento que a ciência define que existe um outro ser humano aborto passa a ser assassinato.

A pesquisa promovida pela Universidade de Oslo na Noruega envolveu oitenta mulheres durante cinco anos, na Noruega o aborto é legal desde 1978. A  Noruega tem cerca de 4,6 milhões de habitantes cerca de 15.000 abortos induzidos e desses de 8.000 a 10.000 abortos são tratados em hospitais gerais por ano. Esse formulário continha quatro perguntas e foi repetido durante 4 entrevistas:
>10 dias (T1)
>6 meses (T2)
>2 anos (T3)
>5 anos (T4)
As perguntas eram dadas por notas nos seguintes itens:

1: Impact of Event Scale/Escala do impacto do Evento ou (IES) 
2:Qualidade de Vida
3:Hospital Anxiety and Depression/ Ansiedade e Depressão Hospitalar ou (HADS)
4: Sentimentos pós aborto.

Resultados

As mulheres que sofreram um aborto espontâneo sofreram mais dificuldades mentais aos 10 dias e seis meses após a interrupção da gravidez do que as mulheres que se submeteram a um aborto. No entanto, as mulheres que tiveram um aborto espontâneo apresentaram uma melhora significativamente mais rápido em contagens IES (Escala do impacto do Evento) para os sentimentos tristeza, perda, culpa e raiva durante todo o período de observação. As mulheres que sofreram aborto induzido tinham significativamente maiores pontuações IES os sentimentos de culpa, vergonha e alívio que o grupo de aborto aos dois e cinco anos após a interrupção da gravidez. Em comparação com a população em geral, as mulheres que tinham sofrido aborto induzido tinham significativamente pontos mais elevados HADS (Ansiedade e Depressão Hospitalar) de ansiedade em todas as quatro entrevistas, enquanto que as mulheres que tiveram um aborto espontâneo  tiveram pontos de ansiedade significativamente superiores apenas na T1(Primeira entrevista).

Conclusão

O curso de respostas psicológicas ao aborto induzido e aborto espontâneo diferiu durante o período de cinco anos após o evento. As mulheres que se submeteram a um aborto induzido apresentaram pontuações mais altas durante o período de acompanhamento para alguns resultados. A diferença nos cursos de respostas podem, em parte, resultar das diferentes características dos dois eventos de interrupção da gravidez. Onde mulheres com aborto induzido persistiram com problemas psicológicos por até 5 anos após o procedimento, ao contrário das mulheres que tiveram o aborto espontâneo.

O aborto é considerado como um difícil e angustiante evento de vida para uma mulher. Ele pode causar ansiedade e depressão, e também pode ser experimentado como um acontecimento traumático. Os resultados da pesquisa sobre as implicações psicológicas do aborto são ambíguos, e isso resultou em muita discussão, possivelmente porque o tema é controverso por motivos políticos, éticos e sociais. Uma revisão recente de artigos de pesquisa após os anos noventa concluiu que os sintomas de ansiedade são a resposta adversa mais comum, e que nossa compreensão do aborto como um trauma potencial aumentou. Estudos recentes têm explorado os aspectos traumáticos do aborto. Um estudo relatou que 1% dos participantes sofriam de transtorno de estresse pós-traumático (PTSD), dois anos depois do evento , e outro relatou que 10% das mulheres estavam traumatizadas (de acordo com um alto impacto de eventos de escalas de pontuação ) seis meses após o aborto induzido.

Poucos estudos têm comparado o curso de respostas psicológicas após o aborto induzido com que após o aborto espontâneo. O aborto induzido e aborto e espontâneo são eventos de vida semelhantes, em que as mulheres abortam após um curto período de gravidez. No entanto, os dois eventos diferem em aspectos importantes. Aborto espontâneo acontece involuntariamente e de repente  mulheres que estavam esperando para dar à luz, ao passo que o aborto induzido é um evento planejado e conhecido. Um aborto induzido é o resultado de uma decisão tomada após dias ou semanas de consideração, e a mulher está mentalmente preparado quando ela chega ao hospital. Todas essas variáveis de estudo devem ser apresentadas as mulheres como forma de conscientização. O problema é que coletivos pró aborto principalmente  os feministas, é que são patrocinados por clínicas abortivas como a Planned Parenthood, Empresa que está sendo investigada numa denúncia de venda de fetos mortos. Como agem de porta voz dessas empresas elas usam como “desculpa” que conscientizar a mulher das consequências ou mostrar o desenvolvimento do feto, podem ter influência na decisão da mulher, mas isso é óbvio, qualquer decisão importante deve ser pautada verificando todos aspectos, principalmente o pós traumático. O medo desses coletivos é que esse lado exposto mostre que o aborto não é tão libertador para mulher o quanto pregam. Chega ser até hilário o argumento que esses estudos “humanizam” o Feto, será que eles acham que o feto é de outro animal e se torna humano somente quando nasce? Com certeza não a ideia é vender o serviço para o maior número de pessoas no caso as mulheres.

Fontes:
Estudo da Universidade de Oslo (Inglês):
http://bmcmedicine.biomedcentral.com/articles/10.1186/1741-7015-3-18 

Denúncia de venda de fetos humanos abortados:
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/08/150810_fetos_aborto_polemica_rm

Compartilhar
37 anos, Analista de Sistemas, Instrutor. Segue a ideologia Liberal (Econômica e individual) Administrador do grupo Vamos debater política. Podcaster do programa Regional Bem vindo a Santos. Youtuber do Canal Liberdrops.