Olhar Atual

Como era Cuba antes do comunismo?

É fato notório e sabido por todos que frequentaram alguns anos de escola que Cuba era um país pobre, explorado pelos Estados Unidos e com a população miserável, governado por um ditador que não se importava com o sofrimento de seu povo, sendo libertado pela revolução socialista, chefiada pelos irmãos Fidel e Raul Castro, além do argentino Che Guevara. A partir daí, Cuba passou a ter índices invejáveis de alfabetização, saúde e mortalidade infantil. Certo??

ERRADO!!

O que todos nós ouvimos foi uma versão, desonestamente criada, para justificar aos mais jovens e ingênuos, a ditadura que está há mais tempo no poder no mundo.

Antes de falarmos na Cuba da década de 50, pouco antes da revolução socialista, vamos conhecer um pouco dela séculos antes.

A primeira nação da América espanhola, incluindo a Espanha e Portugal, que utilizou máquinas e barcos a vapor foi Cuba, em 1829. A primeira nação da América Latina e a terceira no mundo (atrás da Inglaterra e dos EUA), a ter uma ferrovia foi Cuba, em 1837. Foi um cubano o primeiro a aplicar anestesia com éter na América Latina em 1847. A primeira demonstração, em nível mundial, de uma indústria movida a eletricidade foi em Havana, em 1877.

Em 1881, foi um médico cubano, Carlos J. Finlay, que descobriu o agente transmissor da febre amarela e definiu sua prevenção e tratamento. O primeiro sistema elétrico de iluminação em toda a América Latina (incluindo Espanha) foi instalado em Cuba, em 1889. Entre 1825 e 1897, entre 60 e 75% de toda a renda bruta que a Espanha recebeu do exterior veio de Cuba. Antes do final do Século XVIII Cuba aboliu as touradas por considerá-las “impopulares, sanguinárias e abusivas com os animais”.

Cuba hb24O primeiro bonde elétrico que circulou na América Latina foi em Havana em 1900. Também em 1900, antes de qualquer outro país na América Latina, foi em Havana que chegou o primeiro automóvel.

A primeira cidade do mundo a ter telefonia com ligação direta (sem necessidade de telefonista) foi em Havana, em 1906. Em 1907, estreou em Havana o primeiro aparelho de Raios-X em toda a América Latina. Em 19 maio de 1913, quem primeiro realizou um voo em toda a América Latina foram os cubanos Agustin Parla e Rosillo Domingo, entre Cuba e Key West, que durou uma hora e quarenta minutos.

O primeiro país da América Latina a conceder o divórcio a casais em conflito foi Cuba, em 1918. O primeiro latino-americano a ganhar um campeonato mundial de xadrez foi o cubano José Raúl Capablanca, que, por sua vez, foi o primeiro campeão mundial de xadrez nascido em um país subdesenvolvido. Ele venceu todos os campeonatos mundiais de 1921-1927

Em 1922, Cuba foi o segundo país no mundo a abrir uma estação de rádio e o primeiro país do mundo a transmitir um concerto de música e apresentar uma notícia pelo rádio. A primeira locutora de rádio do mundo foi uma cubana: Esther Perea de la Torre.

Em 1928, Cuba tinha 61 estações de rádio, 43 delas em Havana, ocupando o quarto lugar no mundo, perdendo apenas para os EUA, Canadá e União Soviética. Cuba foi o primeiro no mundo em número de estações por população e área territorial.

Em 1937, Cuba decretou pela primeira vez na América Latina, a jornada de trabalho de 8 horas, o salário mínimo e a autonomia universitária. Em 1940, Cuba foi o primeiro país da América Latina a ter um presidente da raça negra, eleito por sufrágio universal, por maioria absoluta, quando a maioria da população era branca. Ela se adiantou em 68 anos aos Estados Unidos. Em 1940, Cuba adotou a mais avançada Constituição de todas as Constituições do mundo.

Na América Latina foi o primeiro país a conceder o direito de voto às mulheres, igualdade de direitos entre os sexos e raças, bem como o direito das mulheres trabalharem.

O movimento feminista na América Latina apareceu pela primeira vez no final dos anos 30 em Cuba. Ela se antecipou à Espanha em 36 anos, que só concedeu às mulheres espanholas o direito de voto, o de posse de seus filhos, bem como poder tirar passaporte ou ter o direito de abrir uma conta bancária sem autorização do marido, o que só ocorreu em 1976.

Virgen_de_la_CaridadEm 1942, um cubano se torna o primeiro diretor musical latino-americano de uma produção cinematográfica mundial e também o primeiro a receber indicação para o Oscar norte-americano. Seu nome: Ernesto Lecuona. O segundo país do mundo a fazer uma transmissão pela TV foi Cuba em 1950. As maiores estrelas de toda a América, que não tinham chance em seus países, foram para Havana para atuarem nos seus canais de televisão.

O primeiro hotel a ter ar condicional em todo o mundo foi construído em Havana: o Hotel Riviera em 1951. O primeiro prédio construído em concreto armado em todo o mundo ficava em Havana: o Focsa, em 1952. Em 1954, Cuba tinha uma cabeça de gado por pessoa. O país ocupava a terceira posição na América Latina (depois de Argentina e Uruguai) no consumo de carne per capita. Em 1955, Cuba é o segundo país na América Latina com a menor taxa de mortalidade infantil (33,4 por mil nascimentos).

Em 1958, Cuba era o segundo país do mundo a fazer uma transmissão de televisão a cores. Em 1958, Cuba era o país da América Latina com maior número de automóveis (160.000, um para cada 38 habitantes). Era o que mais possuía eletrodomésticos. O país com o maior número de quilômetros de ferrovias por km2 e o segundo no número total de aparelhos de rádio. Ao longo dos anos cinquenta, Cuba detinha o segundo lugar em internações per capita na América Latina, e o terceiro no mundo, à frente da Itália e mais que o dobro da Espanha.

Em 1958, apesar da sua pequena extensão e possuindo apenas 6,5 milhões de habitantes, Cuba era a 29ª economia do mundo. Em 1959, Havana era a cidade do mundo com o maior número de salas de cinema: 358, batendo Nova York e Paris, que ficaram em segundo lugar e terceiro, respectivamente.

Antes de 1959
Na verdade, Cuba nunca foi um país miserável. Muito menos quando comparado a outros países latino-americanos. Cuba, antes da revolução socialista, era um país rico e com índices de primeiro mundo. Havia desigualdade social? Claro que havia. Como, aliás, havia em diversos países naquela época, mas mesmo as populações mais pobres tinham acesso a alguns frutos dessa riqueza. Duvida? Então, vamos ver alguns dados, retirados do Anuário Estatístico das Nações Unidas, do Departamento de Estado dos EUA, do Departamento de Assuntos Interamericanos dos EUA, dos arquivos dos Ministérios da Educação e do Trabalho de Cuba, da Organização Internacional do Trabalho e da Organização Internacional da Saúde.

-O índice de mortalidade infantil era o melhor na América Latina – e o 13º mais baixo do mundo. Com 32 mortes a cada 1000 nascimentos em 1957, o índice era melhor do que o da França, Bélgica, Alemanha Ocidental, Japão, Áustria, Itália e Espanha. Mortalidade infantil não afeta somente os ricos, mas a população como um todo.

– A expectativa de vida em 1955 era de 63 anos de idade; no resto da América Latina era 52 anos, na Ásia 43 anos e na África 37 anos. Dá para crer que um país onde “a imensa maioria da população era excluída da riqueza”, como dizem os professores de história, teria uma expectativa de vida tão alta?

-Em termos de médicos e dentistas per capita, Cuba em 1953 estava em terceiro na América Latina, somente atrás de Uruguai e Argentina. 128 médicos e dentistas para cada 100.000 habitantes era um número igual ao dos Países Baixos, maior do que o dos Estados Unidos, Reino Unido (122 médicos e dentistas para cada 100.000 habitantes) e Finlândia. Você já deve ter ouvido falar de como a Cuba de Fidel Castro tem muitos médicos, não é? Só manteve algo que já existia. O mesmo não podemos falar da qualidade.

-O índice de mortalidade era de 5,8 a cada 1.000 habitantes – o terceiro menor do mundo, enquanto nos Estados Unidos era 9,5 e no Canadá 7,6.

-Em 1958, Cuba possuía 35 mil leitos de hospital, ou seja, um leito para cada 190 habitantes, um número maior do que o dos países desenvolvidos na época (1 para cada 200 habitantes). Em 1960, os EUA tinham um leito hospitalar para cada 109 habitantes.

-Cuba tinha um sistema educacional excelente e um impressionante índice de alfabetização nos anos 1950-1953. 76% da população era alfabetizada, e o país só perdia para a Argentina (87%), Chile (81%) e Costa Rica (79%) na América Latina. Em termos comparativos, o Brasil tinha uma taxa de alfabetização de apenas 49% na época.

-Cuba possuía três universidades estatais e outras três privadas. Haviam 20.000 estudantes nas estatais. Então, é um mito a estória de que o socialismo permitiu que os cubanos frequentassem as faculdades.

-Existiam 900 escolas privadas reconhecidas oficialmente, e o número total de estudantes (incluindo as três faculdades) era de 100.000.

-O sistema público de escolas empregava 25.000 professores, e o sistema privado, 3.500.

-Na metade da década de 1950, haviam 1.206 escolas rurais, assim como um sistema de biblioteca móvel com um total de 179.738 livros.

-Cuba tinha 114 instituições de ensino superior em 1958: institutos técnicos, politécnicos e escolas profissionalizantes, financiadas pelo governo. Só neste ano elas formaram 38.428 alunos, e o índice de analfabetismo era agora de 18%.

-Era o governo que mais investia em educação na América Latina, com 23% do orçamento dispensado a ela. Logo depois vinham Costa Rica (20%), Guatemala e Chile (16%). Que governo era esse? O do ditador Fulgêncio Batista, que é sempre citado como alguém que só cuidava dos interesses dos Estados Unidos.

– Em 1958, a renda per capita média de um cubano era o equivalente a 11.300 dólares anuais, em valores atualizados. Para efeito de comparação, a renda média de um britânico na mesma época equivaleria a 11.800 dólares atuais.

-A Cuba Pré-Castro tinha a terceira colocação latino americana em consumo de comida per capita. Em 1948-49, eram 2.730 calorias per capita. Entre 1954-57, o Brasil consumia 2.540 calorias per capita. Hoje, o cubano consome em média 2.417 calorias por dia, uma diminuição de 11,5%.

-O suprimento de cereais per capita caiu de 106 kg anuais no final da década de 1940 para 100 kg anuais na década de 1990. Tubérculos e raízes passaram de 91 kg por ano para apenas 56 kg, e a carne passou de 33 kg por ano para 23 kg.

-Um escravo em 1842 consumia mais alimentos diários do que um cubano no sistema de racionamento revolucionário, como consta na tabela de Carlos Alberto Montaner:

Alimentação Castro

-Era o primeiro país na América Latina e o 5º no mundo em televisões per capita, com 45 televisões a cada 1.000 habitantes em 1957, somente atrás de Mônaco, Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. O país latino que chegava mais perto era a Venezuela, com apenas 16 televisões para cada 1.000 pessoas. Em 1997, Cuba estava atrás do México (239 televisões a cada 1.000 habitantes contra 272).

-No número de carros, Cuba só perdia para a Venezuela em 1958, e em 1988 passou para o 9º lugar na América Latina. De 24 carros para cada 1000 habitantes, Cuba foi para 23 em 1988 (-0,1% por ano). O Brasil tinha 7 carros a cada 1.000 habitantes em 1958, e o número foi para 73 carros em 1988 (+8,1% por ano).

-Enquanto os outros países tiveram a densidade de linhas telefônicas pelo menos dobrada, Cuba permaneceu congelada como em 1958. Em 1995, Cuba possuía apenas 3 linhas telefônicas para cada 100 pessoas, em 16º lugar na América Latina. Naquela época, Cuba era bem mais avançada nesse quesito do que outros países latino-americanos, como Argentina, Costa Rica, Panamá, Chile e Venezuela.

-Durante a década de 1950, Cuba possuía mais rádios per capita do que todos os países latino-americanos com exceção do Uruguai, com 169 rádios para cada 1.000 habitantes (Cuba estava acima do Japão). Argentina estava quase equiparada e, no entanto, de lá para cá o número de rádios per capita no país cresceu três vezes mais rápido que em Cuba. Ela foi superada por Bolívia, Venezuela, El Salvador, Honduras e pelo Brasil.

– Cuba tinha uma capital com mais salas de cinema que Nova York! De lá para cá, o número de salas de cinema se manteve estável, a despeito do crescimento da população.

-Em 1958, Cuba era o quarto país latino-americano em produção de arroz. Venezuela e Bolívia aumentaram sua produção em 28 vezes até o ano 2000. A República Dominicana, vizinha de Cuba, aumentou em 5 vezes a produção desde 1958, passando a produzir de 2.100 kg por hectare para 5.400 kg por hectare em 1996, enquanto Cuba estagnou em 2.500 kg por hectare (em 1958, eram apenas 100 kg a menos). Além da falta da iniciativa privada, os trabalhadores não veem motivos para se esforçar mais, visto que não se permite o lucro.

-Na década de 1950, Cuba moía em média 45,9 milhões de toneladas de cana para produzir 5,63 milhões de toneladas de açúcar por ano. A produção passou a ser de 1 a 1,5 milhão de toneladas de açúcar por ano depois da revolução.

-As exportações cubanas não mantiveram o passo com outros países da região. Em termos de aumento das exportações, Cuba está em último (abaixo até do Haiti). Com números praticamente idênticos com os do México em 1958 (possuindo uma população cinco vezes menor), Cuba só cresceu o dobro nas exportações, enquanto o México cresceu 226 vezes até 2000. Em 1958, os números cubanos excediam Chile e Colômbia, países que hoje a deixam muito atrás. Nota-se a pouca diversificação das exportações cubanas se comparadas ao resto da região.

-A balança de pagamentos cubana na década de 1950 era bem favorável. Em 1958, Cuba tinha ouro e divisas na reserva totalizando 387 milhões de dólares (em 2008, isso equivaleria a mais de 3,6 bilhões). Era a terceira maior reserva da América Latina, atrás apenas de Venezuela e Brasil (e a população de Cuba é de menos de 7 milhões de pessoas). Cuba não publica mais informações sobre divisas ou reservas de ouro.

-Apenas 5% do capital investido em Cuba em 1958 era americano, e menos de 1/3 do açúcar saído de lá ia para companhias americanas. Dos 161 engenhos de açúcar, apenas 40 eram de cidadãos norte-americanos. Não foi isso que seu professor de história te disse, não foi? E aquela conversa de que a economia de Cuba estava toda nas mãos dos americanos?

-Em 1958, Cuba tinha a menor inflação do Ocidente: apenas 1,4% ao ano, enquanto a americana andava na casa dos 2,73%. O peso cubano era equivalente ao dólar.

-Cuba possuía 58 jornais diários no final da década de 1950, colocada neste quesito apenas atrás de Brasil, Argentina e México na região. Em 1992, o número foi reduzido pelo governo para apenas 17.

-Em 1957, Cuba tinha mais estações de televisão (23) do que qualquer país da América Latina, ultrapassando países mais populosos por muito (12 estações no México e 10 na Venezuela). Liderava a América Latina no quesito de números de estações de rádio (160) e estava em 8º lugar no mundo, na frente de países como Áustria (83), Reino Unido (62) e França (50).

-Cuba possuía 101 exemplares de jornal para cada 1.000 habitantes, estando na colocação 33 de 112 países no mundo em questão de leitura diária.

-Na década de 1950, os rendimentos de uma fazenda em Cuba eram mais altos do que na França ou na Bélgica, e a fazenda cubana média era menor do que a fazenda dos Estados Unidos (140 acres em Cuba contra 190 acres nos Estados Unidos). Das 159.958 fazendas, 11 mil produziam tabaco, e apenas 34% da população vivia na área rural.

-O ganho médio de um trabalhador rural em Cuba era de 3 dólares em 1958. Na França era de 2,73 dólares; na Bélgica, 2,70 dólares; na Dinamarca, 2,74 dólares; na Alemanha Ocidental, 2,73 dólares; e, nos Estados Unidos, 4,06 dólares. Hoje os padrões de vida cubanos podem ser comparados aos do Haiti.

-Segundo um relatório da Unesco em 1957, Cuba tinha uma ampla classe média. Os trabalhadores cubanos recebiam 66,6% da renda do PIB: nos Estados Unidos eram 68% e na Suíça 64%. 44% dos cubanos eram amparados por uma legislação social, mais que os Estados Unidos na época.

-Cuba estabeleceu a jornada de oito horas/dia em 1933, cinco anos antes dos Estados Unidos. Pagavam-se quarenta e oito horas semanais por quarenta e quatro horas de trabalho e um mês de férias anuais. Muitos cubanos tinham nove dias de licença médica remunerada e três meses de licença-maternidade.

-Um trabalhador industrial cubano ganhava 6 dólares por jornada de trabalho de 8 horas no ano de 1958. Cuba estava em 8º lugar no ranking mundial de salários pagos aos operários, ultrapassados apenas por Estados Unidos, com 16,80 dólares; Canadá, com 11,73 dólares; Suécia, com 8,10 dólares; Suíça, com 8 dólares; Nova Zelândia, com 6,72 dólares; Dinamarca, com 6,46 dólares e Noruega, com 6,10 dólares.

-Cuba tinha uma força de 2.204.000 trabalhadores. O desemprego em 1958 era de 7,07%, o menor da América Latina.

-Antes de Castro e Che, Cuba recebia mais imigrantes per capita do que qualquer outro país ocidental, inclusive os EUA. A embaixada cubana na Itália teve um acúmulo de doze mil solicitações de vistos de imigração em 1958. De 1903 a 1957, o país recebeu um milhão de imigrantes espanhóis e mais de 75 mil norte-americanos.

-Haviam no total 9 cassinos em Cuba. Gulport-Biloxi, no Mississipi (menos de 240 mil habitantes), tem hoje mais que o dobro desse número. Cuba abrigava 272.265 turistas americanos, e em 1957 mais cubanos passaram as férias nos EUA do que americanos em Cuba. Isso desfaz o mito de que Cuba era um cassino de luxo para os EUA.

-O país tinha 10 mil prostitutas em 1958, e hoje são mais de 150 mil, fruto do desespero miserável.

-O racismo em Cuba foi oficialmente abolido em 1925. Fulgêncio Batista subiu ao poder por golpe (sem nenhum derramamento de sangue) em 1952, mas em 1940 já havia se elegido democraticamente. Um mulato sendo presidente num país onde 71% da população é branca, bem diferente da Cuba castrista, onde 85% da população carcerária é negra e apenas 0,8% dos cargos do governo são ocupados por negros.

-O regime de Fidel e Che encarcerou um negro por mais tempo no século XX, mais que Nelson Mandela: Eusebio Peñalver ficou preso (e sendo torturado) por sua luta contra o comunismo durante 30 anos, sofrendo com o racismo dos guardas.

Memorable-SalutesLa Revolución
E veio 1959 e ocorreu algo que mudaria Cuba para sempre: a Revolução. Ao contrário do que se diz, os revolucionários não eram apoiados amplamente pela população pobre. Se fosse assim, não teria sido necessário fuzilar tantas pessoas como os revolucionários fuzilaram. Até adolescente de 15 anos Che Guevara fuzilou pessoalmente.

Por décadas, Cuba foi praticamente mantida, como uma vitrine do comunismo na América Latina, com dinheiro da URSS. O objetivo era claro: mostrar um país comunista que era um paraíso da igualdade e da qualidade de vida. Nunca foi. Nem mesmo quando a URSS enviava dinheiro e produtos industrializados.

Com a dissolução da URSS quarenta anos depois (1989), a situação socioeconômica de Cuba piorou, mas em breve tempo continuou sendo salva da desgraça completa, graças aos petrodólares de Hugo Chávez. Porém, com a catástrofe econômica que o bolivarismo implantou na Venezuela, não foi possível mais manter a ajuda, que passou a vir dos governos petistas brasileiros, seja disfarçado em Mais Médicos ou na construção do Porto de Mariel.

Hoje, Cuba ainda tem uma taxa alta de alfabetização, 99,8%, mas não é a maior do mundo e se equipara a taxas de nações com modelos econômicos muito distintos, como o Azerbaidjão, a Letônia e a Estônia.
cuba-before-and-afterO crescimento de Cuba nos últimos anos chega a ser pior que o de países africanos, como Botswana, que saiu de uma renda inferior aos mil dólares anuais, para quase 15 mil no mesmo período.

A desigualdade inexiste no país somente no papel. Membros da elite possuem acesso a carros importados e outros luxos, enquanto cidadãos com altos cargos dentro do governo conseguem roubar bens e até dinheiro do Estado, além de serem constantemente subornados por outros cidadãos em troca de favores ou um pequeno poder – prática conhecida como “sociolismo” em Cuba. O mesmo se aplica aos moradores com parentes e amigos no exterior, de quem podem conseguir bens “raros” para o padrão de vida da ilha e revendê-los nos abundantes mercados negros.

havana-cuba-sloppy-joes-1927-2007Como os brancos já eram mais ricos no período anterior à revolução, continuaram ocupando melhores cargos e residindo em casas melhores que os negros. Após a permissão do governo cubano para a existência de pequenos negócios pré-definidos na ilha, a situação se agravou, já que os brancos continuaram morando nas melhores casas, que hoje servem como pequenos hotéis e geram renda para essas famílias – enquanto os negros são relegados à maioria dos empregos estatais e ao socialismo forçado.

Mas muitos já devem ter ouvido falar da baixa taxa de mortalidade infantil de Cuba, hoje em dia. Pois saiba que Cuba possui hoje o índice de 0,71 aborto por criança nascida. Isso explica a “baixa taxa de mortalidade infantil”.

Portanto, não deixe mais que algum esquerdista te diga que o comunismo fez de Cuba um país com altos índices de alfabetização, baixos índices de mortalidade infantil e grande igualdade social. O socialismo só manteve alguns índices que já existiam e piorou muitos outros.

Fonte:
http://castelohistorico.blogspot.com.br/2016/03/como-era-cuba-antes-da-revolucao-de-1959.html

https://www.institutoliberal.org.br/blog/cuba-antes-e-depois-de-1959/

http://spotniks.com/como-era-cuba-antes-da-revolucao/

Maurício Vilela

comentários