O que dizia Roberto Carlos em 1965

O ano é 1965, Roberto já conhecido no Brasil inteiro responde a algumas questões na Revista do Rádio, confira:

Você Costuma Mentir?
RC – Às vezes, de brincadeira, a gente prega uma mentira…

Tem algum complexo?
RC – Não. Isso nunca me preocupou

Receia a morte?
RC – Não. Ela tem que vir, um dia

Preocupa-se com o dinheiro?
RC – Preocupo-me, sim. É necessário. Não chego a ser escravo dele, isso não!

Sabe guardar segredos?
RC – Sei sim. é bom saber que confiam na gente

Lembra-se do primeiro beijo?
RC – Claro que me lembro. Não posso esquecê-lo!

Confessa tudo ao padre?
RC – Só me confessei uma vez, embora pareça incrível, e por ocasião do meu batizado, no ano passado…

Acha-se uma pessoa perfeita?
RC – Não, quem sou eu, para tanto?!

Cite um defeito seu
RC – Acreditar nos outros.

Já pediu dinheiro emprestado?
RC – Já. Acho que todo mundo.

Reza antes de dormir?
RC – Não. Penso em Deus. Geralmente deito muito cansado.

Tem dinheirinho guardado?
RC – Tenho algum, empregado em coisas úteis.

Gosta de seu nome?
RC – Gosto. Foram minha mãe e meu pai que o escolheram.

Gosta de ter inimigos?
RC – Bom mesmo é ter amigos. Por que o contrário?

O mundo é bom?
RC – Para quem sabe viver é uma beleza.

Que doença mais teme?
RC – Todas. Tenho pavor de ficar doente.

Acredita em macumba?
RC – Respeito. sabem como é…

Reconhece seus erros?
RC – Reconheço, mas é claro!

Gosta da solidão?
RC – De vez em quando é bom. Faz a gente se encontrar.

Dorme pensando em que?
RC – No futuro, nada menos…

Tem preguiça?
RC – De acordar cedo, é claro que tenho…

Espera ficar milionário?
RC – Quem sabe? Não seria mal, tá bom?

Costuma dar esmolas?
RC – Costumo, mas com discrição…

Onde desejaria morrer?
RC – Onde Deus quiser!

Seu desejo atual?
RC – Viajar para o exterior.

Tem dias de mau humor?
RC – Tenho, como todo mundo.

Costuma ter pesadelos?
RC – Tenho, de vez em quando.

Depois do Brasil, que país gostaria de conhecer?
RC – Estados Unidos e França. Legal?

Deu muito trabalho a seus pais?
RC – Um pouco. Fui muito levado, e ainda dou um pouquinho de trabalho.

Conhece alguém exemplar?
RC – Não há bom sem defeito. Só Cristo foi perfeito.

Gosta de dormir de dia?
RC – Gosto, mas geralmente não o faço.

Gosta de ouvir anedotas picantes?
RC – De ouvir e contar, perfeitamente.

Já chorou de raiva?
RC – Já, poucas vezes.

E de tristeza?
RC – Também, ora essa!

Sabe contar anedotas?
RC – Sei… e tenho grande repertório.

Fala quando dorme?
RC – Falo bastante. Falo sozinho, também. Converso comigo mesmo.

Fala outros idiomas?
RC – Não. Estou para fazer um curso de inglês.

Quer viver até que idade?
RC – Até quando Deus quiser.

Já xingou alguém?
RC – E muito, puxa vida!

Confia em quem?
RC – Principalmente na mamãe e nos meus amigos.

Fala sozinho?
RC – Falo, por que não?

Já teve decepção com amigos?
RC – Não foram grandes. Mas foram decepções. Passo por cima das coisas que me aborrecem e esqueço.

Já viu alma do outro mundo?
RC – Não, que é que há?!…

Acredita nos Santos?
RC – Acredito. Sou devoto de N.S. da Penha, N.S.Aparecida, São Judas Tadeu e muitos santinhos.

Sabe fazer carinhos?
RC- Elas nunca reclamaram…

Qual sua maior alegria?
RC – Quando tive em minhas mãos o meu primeiro disco.

Tem medo da velhice?
RC – O problema é saber envelhecer!

Faz segredo de seus planos?
RC – Não vivo contando aos quatro cantos, mas também não faço segredos.

Sabe beijar bem?
RC – Será que sei?…

Qual a pergunta que o aborreceu?
RC – Nenhuma. É bom a gente contar para os nossos amigos coisas na intimidade.

– Publicado na Revista do Rádio n° 816, de 8 de maio de 1965. – PCR