Cuidado ao meter a mão nessa moringa!

Cuidado ao meter a mão nessa moringa!

308
Compartilhar

Estávamos em meados da década de 80. Uma reportagem do Fantástico abordou o uso do confrei, uma erva de origem japonesa, como cicatrizante. A partir daí, um grupo de pessoas, acreditando que a Natureza não pode criar nada que nos faça mal, começou a propor o uso do chá de confrei para “ajudar na cicatrização interna” achando que, por analogia, o confrei iria cicatrizar as lesões de aterosclerose e prevenir problemas cardíacos. Como conseqüência muitas pessoas começaram a fazer uso diário desse chá. Na época não parecia nada demais, apenas mais um modismo. A questão é que essa planta é tóxica para o fígado, produzindo uma doença que obstrui os ramos da veia hepática, causa cirrose e depois câncer do fígado. Resultado: na década de 90 aconteceram muitos casos de cirrose e câncer de fígado pelo uso incorreto e continuado do confrei.

Modismos alimentares

De tempos em tempos, surge um modismo que sempre tem as mesmas características gerais: uma planta exótica (nunca uma planta que temos nos nosso quintais) é apresentada simultaneamente como sendo extremamente nutritiva e ter poder de cura de inúmeras doenças, muitas delas sem qualquer relação uma com a outra. Só essa alegação já deveria nos fazer questionar a veracidade das informações. É raríssimo uma planta ser, ao mesmo tempo, nutritiva e ter propriedades medicinais. As propriedades nutritivas do café, do chá, do guaraná, da erva cidreira, do boldo, etc são ínfimas. Por outro lado, plantas extremamente nutritivas só possuem a propriedade medicinal de tratar aquela deficiência nutritiva, como é o caso do espinafre, rico em ferro, que pode tratar a anemia.

img_2492Por essas razões, tenho me preocupado muito com o crescente modismo do consumo da Moringa (Moringa oleifera), uma planta originária da Ásia e África. As duas espécies principais são provenientes das encostas do Himalaia e do sul da Etiópia.

O primeiro sinal de que algo está errado é que, quando você vai fazer uma pesquisa no Google, as primeiras páginas são só de links de sites de “cura natural”, “vida saudável” ou parecidos, os mesmos tipos de pessoas que transformaram o confrei numa arma letal. Só achei uma revista não naturalista e, mesmo assim, o artigo foi escrito por uma pessoa que visitou a Etiópia com uma vegana, o que sugere um viés nas opiniões expressadas.

Os elogios à Moringa se dividem em dois grupos: os elogios quanto às suas propriedades nutritivas e os elogios quanto às suas propriedades curativas. No primeiro caso, embora com ressalvas, as qualidades da planta parecem ser reais. Já, em relação às propriedades curativas, o que se vê é uma lista interminável de doenças que a Moringa trataria. Essas doenças não possuem NADA em comum. Portanto, teríamos que acreditar que a Moringa possui VÁRIAS substâncias terapêuticas simultaneamente, cada uma sendo capaz de tratar uma doença e não levar a efeitos colaterais em quem não tivesse essa doença. Até para quem é adepto da cura pelas plantas isso é um absurdo. A Natureza não age assim! Não coloca inúmeras substâncias ativas num mesmo organismo vivo. Poderia ter uma, duas, três, excepcionalmente quatro propriedades terapêuticas, mas não o que se está anunciando na mídia.

Aí começam as perguntas. A quem interessa espalhar tantos benefícios? Apesar a Moringa ser uma planta que se adapta facilmente e que cresce muito rápido, o que constatei foi um enorme número de sites que vendem o produto em pó e cápsulas, ou seja, algo que é apresentado como uma solução barata para a fome no mundo, vira uma mercadoria vendida como outra qualquer. Até que ponto o interesse comercial contribui para a divulgação de efeitos milagrosos?

Isso me lembra a história do Goji Berry, uma fruta que foi alardeada como sendo um super alimento por Earl Mindell, um picareta especializado em vender livros sobre efeitos curativos de plantas. Mindell publicou em 2003 um folheto com alegações fantasiosas sobre os efeitos maravilhosos da Goji Berry sem nenhuma comprovação (como, aliás, ainda não tem) desses efeitos. Durante um bom tempo, somente Mindell possuía a fruta para vender nos EUA. Hoje, qualquer lojinha a possui, mas ele já ficou rico…

img_2489Uma coisa em comum entre Goji e Moringa é a origem. Nenhum desses alimentos milagrosos é proveniente da Inglaterra, Itália ou Estados Unidos. Sempre são originários de locais onde o imaginário ocidental idealiza uma vida perfeita, mais próxima à natureza. As duas espécies mais comuns de Moringa são a Moringa oleifera e Moringa stenotepala. Nativa das encostas do Himalaia, a Moringa oleifera é a mais citada nos sites, embora alguns dados sejam misturados com os de uma espécie próxima, a Moringa stenotepala, nativa do leste da África. É esta espécie que é consumida no sul da Etiópia.

Propriedades nutricionais

A análise das propriedades nutritivas da Moringa realmente é impressionante. Cada 100g de vagens com sementes contém:

  • 86,9 g de água
  • 2,5 g de proteínas
  • 0,1 g de gordura
  • 8,5 g de carboidratos
  • fibra 4,8 g
  • 2,0 g de cinza
  • 30 mg de cálcio
  • 110 mg de fósforo
  • 5,3 mg de ferro
  • 184 UI de vitamina A
  • 0,2 mg de niacina
  • 120 mg de ácido ascórbico
  • 310 µg de cobre
  • 1,8 µg de iodo

O núcleo da semente contém 38,4 g de proteína crua e 34,7% de ácidos graxos. O óleo da semente contém 9,3% de ácido palmítico, 7,4% de ácido esteárico, 8,6% ácido behénico e 65,7% de ácido oleico.

As folhas contêm para cada 100 g:

  • 75 g de água
  • 6,7 g de proteínas
  • 1,7 g de gordura
  • 14,3 g de carboidratos
  • 0,9 g de fibra
  • 2,3 g de cinza
  • 440 mg de cálcio
  • 70 mg de fósforo
  • 7 mg ferro
  • 110 µg de cobre
  • 5,1 µg de iodo
  • 11.300 UI de vitamina A
  • 120 µg vitamina B
  • 0,8 mg de ácido nicotínico
  • 220 mg de ácido ascórbico
  • 7,4 mg de tocoferol

Também se encontram substâncias estrogênicas, incluindo o composto antitumoral β-sitosterol e uma pectina esterase.

img_2490Embora invejáveis, as propriedades nutritivas da Moringa são constantemente exageradas nos sites dedicados à cura com plantas. Os níveis de Vitamina C, 200mg por 100g de folhas, são semelhantes a uma goiaba e muito abaixo dos 1800mg da acerola e mais ainda dos 2600mg do camu-camu, fruto amazônico pouco conhecido pelos brasileiros. Já os índices de cálcio são realmente altos, superando a maioria das fontes desse mineral. Já a quantidade de ferro, embora alta para um vegetal, ainda é inferior à quantidade existente no feijão.

Não consegui encontrar nenhuma pesquisa sobre a biodisponibilidade desses nutrientes. Nem sempre um alimento possuir certos nutrientes é sinônimo de conseguir fornecê-los ao organismo. Algumas substâncias existentes no próprio alimento podem interferir na sua absorção. Estudos comprovando que tantos nutrientes juntos não irão interferir uns nos outros são necessários, antes de se definir a Moringa como um substituto para os alimentos habituais.

img_2488Uma das regiões onde a Moringa é nativa é a Etiópia, país com níveis de desnutrição altíssimos. Seria possível que uma planta estivesse lá há milênios e a população não havia aprendido a se alimentar dela? As notícias falam dessas populações consumindo as folhas como uma solução para a desnutrição, porém há quanto tempo fazem isso? Por que a Etiópia não se destacou pelo fim da desnutrição?

Porém, os problemas começam quando começamos a ler as alegadas propriedades curativas da Moringa. É comum se ler que a planta é utilizada pela Medicina Ayurvédica, porém nenhum site informa, que somente para uso externo. Somente a raiz é utilizada em infusões e, ainda assim, para provocar vômito. Um autor mais crítico se deu ao trabalho de pesquisar diversos países e listar as doenças que, em cada país, alegava-se que a Moringa curava. Nada bate com nada. A lista de doenças não é semelhante de um país para outro. Até sites dizendo que a Moringa é a planta que mantém Fidel Castro vivo, acompanhados de fotos de Fidel ao lado de uma planta que claramente não é a Moringa, a gente encontra.

No Pubmed (1) realmente surgem pesquisas do uso da Moringa por via tópica, pesquisa de atividade antitumoral, antiviral, mas nada da maioria das doenças que ela curaria segundo os sites naturalistas.

O primeiro sinal de alarme em relação aos efeitos medicinais é a confusão entre o efeito floculante do pó das sementes e um falso efeito desintoxicante. As sementes de Moringa são ricas em óleo. Essas sementes, trituradas a ponto de formar um pó, possuem a capacidade de reagir com a sujeira na água, formar complexos pesados e decantar. Por isso, ela vem sendo usada para limpar águas barrentas e impróprias para o consumo.

Esse efeito é semelhante ao que se obtém em estações de tratamento de água e em piscinas quando se mistura sulfato de alumínio e barrilha. Seguindo o mesmo raciocínio torto que se fez com o confrei, pessoas concluíram que a semente teria capacidade de “limpar” o sangue. Isso não faz o mínimo sentido, assim como não faz sentido alguém tomar sulfato de alumínio com barrilha. Felizmente o sistema digestivo não permite que o conteúdo das sementes cheguem ao sangue com essas mesmas propriedades pois, se isso ocorresse, eles fariam que as substâncias do sangue decantassem e a morte seria certa…

Mas, uma coisa que não tem sido divulgada por esses sites naturebas são os riscos do consumo da Moringa. Isso mesmo! Se algum produto tem tantas propriedades nutritivas e até medicinais, ele TEM que ter contra-indicações também. Se até suco de grapefruit e de carambola podem matar pessoas portadoras de certas doenças, imagine algo tão rico em componentes.

Pois a verdade é que, mesmo possuindo propriedades medicinais, a Moringa não deveria ser consumida com esse objetivo pois não se definiu doses corretas para os diversos tipos de doenças.

Foram relatados danos cardíacos produzidos pelo consumo da Moringa. Também quedas bruscas da glicemia. Um dos perigos maiores, no entanto, é a policitemia (excesso de glóbulos vermelhos) que pode aumentar o risco de um infarto do miocárdio ou AVC. Por seu efeito anticoagulante pode interferir com outras medicações e facilitar sangramentos. Outros efeitos colaterais menos importantes incluem tonturas, náuseas, dor de cabeça, zumbido e diarreia. O uso da Moringa durante gravidez e amamentação não foi estudado ainda.

Por isso, tome cuidado quando alguma planta proveniente de uma região longínqua do mundo surge como um super alimento. Embora possa até ser uma grande descoberta, pode ser algo perigoso ou mesmo uma fraude.

(1) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=moringa

Compartilhar