A mentira do glúten

A mentira do glúten

485
Compartilhar

A MENTIRA DO GLÚTEN
E outros mitos sobre o que você come
Alan Levinovitz – 2015

Um livro que muda totalmente nossa cabeça, exorcizando nossos medos irracionais de comidas. O autor não é médico, nutricionista ou mesmo da área de biologia. É professor de religião e literatura. Seu conhecimento em história das religiões é que o ajudou a constatar que não só as alegações contra o glúten, mas contra diversos outros alimentos, remontam de mais de 2000 anos antes de Cristo.

“Quando os grãos eram o símbolo culinário da civilização chinesa, os taoístas argumentaram que rejeitar grãos era a chave para se escapar dos males da modernidade. Mais tarde, quando comer carne assumiu a importância simbólica outrora atribuída ao consumo de cereais, os tabus taoístas deslocaram-se dos cinco grãos para carne e sangue.”

Ele nos mostra que, ao longo de milênios, a humanidade sempre dividiu os alimentos em sagrados e profanos, considerando os primeiros puros e os últimos danoso. Não seria de se estranhar que, num mundo moderno onde a saúde e a boa forma são os novos “deuses”, o homem começasse a acusar certos alimentos de serem “pecaminosos” à religião do bem estar, assim como eleger alimentos como chia, linhaça, amaranto, quinoa, goji berry dentre outros, como “sagrados” a essa nova religião.

Também mostra que, quase sempre, essa demonização de certos alimentos está relacionada ao medo da modernidade. Tudo que representa avanço tecnológico é associado a doenças.

“Comida processada é do mal. Comida natural é do bem. Isso são mantras religiosos, a versão condensada de contos de fadas simplistas que dividem alimentos – e o mundo – conforme binários moralistas. Esses termos devem ser empregados por monges e gurus, não por médicos e cientistas.”

O livro é libertador! Após lê-lo, você terá sempre dúvidas se realmente algo faz mal( ou bem) ou se está sendo manipulado por falsa ciência ou interesses financeiros.

“Uma minoria significativa beneficia-se de uma dieta livre de glúten, mas, para todos os outros, exagerar o perigo representado pelo glúten não é mera especulação – é ativamente prejudicial. Ironicamente, a ansiedade quanto ao que você come pode produzir exatamente os mesmos sintomas ligados à sensibilidade ao glúten. Demonizar alimentos pode contribuir para o desenvolvimento de transtornos alimentares.”

image“A expectativa do público de dano pelo glúten é alimentada pela difusão do medo, altamente rentável e não científica, validada por médicos credenciados. Estes médicos penetram nas preocupações profundamente enraizadas sobre modernidade e tecnologia, identificam a causa única de todos os nossos problemas e oferecem uma solução fácil. Engendrar histórias de assassinos ocultos e milagres dietéticas, e então se tornam comerciantes de falsa esperança, curando problemas que eles mesmos criaram.”

O autor cita especialistas em anorexia e bulimia que afirmam que a maioria dos pacientes portadores de transtornos alimentares iniciou com alguma restrição alimentar que parecia ser saudável.

“Distúrbios alimentares: noventa e cinco por cento dos meus pacientes começam com algum tipo de alimento tabu.”

Desmistifica a frase “você é o que você come”, muito utilizada para restringir as dietas dos incautos.

“A crença de que você absorve as qualidades físicas – e morais – do seu alimento é uma superstição quase universal.”

“Se as pessoas realmente são sérias sobre a mudança da cultura alimentar, elas têm que oferecer uma alternativa viável. Demonizadores de alimentos não fazem isso. Em vez disso, criam um mundo infernal com o qual estamos todos muito familiarizados : todo alimento é um demônio potencial – primeiro a gordura, depois o açúcar. Qual o próximo? Falar sobre comida desta forma é prejudicial. Cria pessoas neuróticas com o que comem, que veem os alimentos como puros ou impuros, naturais ou processados, bons ou maus.”

Li o livro é indiquei para familiares, amigos e pacientes. Poucos livros foram, para mim, tão libertadores como esse. Mesmo que você tenha dúvidas quanto ao que defende o autor, dê uma chance a si mesmo e leia o livro.

Resenha de Maurício Vilela